Um Grito Calado



Tenho derramado prantos incontroláveis

E hoje ainda mais lágrimas afáveis

Em letras miúdas e tão frágeis

Meus olhos derretendo irrefreáveis

E esta lonjura profunda sem nome

Sem razão nenhuma de assim ser

Porque eu nunca sei como escrever

As vontades que a mim consomem

E seria tão mais fácil deixá-las no mundo

E esquecê-las para sempre, assim

Mas meu cérebro tão preciso, enfim

Não faz por nada esquecer, nenhum segundo

E estes olhos que não vejo e ainda

Sedento, em tenro desespero, oh Deus

Que meu peito se explodirá na quietude

E eu não sei expressar os desejos meus

E os guardo para mim, e estes me afogam

Num pronto lícito inesperado pensamento

E as horas que em sanidade me apontam

As palavras…

E estas não vêm, e me abandonam agora

E eu esperando o raiar da aurora

Me consumo em silêncio

Gritando

E não sei pôr em palavras coisas simples

Um convite doce que todos fazem

É como tentar erguer o mundo em mim

Só para saber uma resposta

E meu quarto em paredes de quadros

De cordas e instrumentos

De um leito tão extenso

A chorar na minha solidão

Enquanto eu quero palavras simples

Que me fogem da ponta dos dedos

Que me secam a garganta em medos

Irreais

Seria tão mais simples só poder dizer

As coisas tão doces que não sei

Mas me perco inimaginável

Num silêncio abominável

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Foram dias sem poemas para mim Sem pensar em versos e assim Foram dias a correr no tempo Sem pensar em coisas um momento E foram dias bons e serenos dias E não houve tristeza ou alegrias E assim foram

Hoje ponderei sobre o meu ser Minha delicadeza excessiva Minha saudade expressiva Quanta tristeza a saber E hoje eu pesei tantas palavras Dolorosas e vazias Incertezas tão perenes Na frieza destas sir