Obra


Hoje ponderei sobre o meu ser

Minha delicadeza excessiva

Minha saudade expressiva

Quanta tristeza a saber

E hoje eu pesei tantas palavras

Dolorosas e vazias

Incertezas tão perenes

Na frieza destas sirenes

Como uma madrugada mal dormida

Em palavras repetida, repetida, repetida

Imprecisa em minhas saudades

E meus desejos e iniquidades

Pois às vezes o que quero é tão distante

Em imagens incessantes e frustrantes

De vazios imprecisos que eu vejo

A morrer tão longe o meu desejo

E ele se agarra neste vazio impassível

Como se o meu ceder fosse impossível

E eu não sei a que devo alguma insistência

Nesta imprecisa vagarosa temerosa indecência

E meus poemas aparecem todos raros

Em minhas saudades tão amaros

E cuspi-los doutra vez seria assim

A desgarrar deste âmago de mim

E não sei porque sou como sou

Nos meus desejos se pesou

Este eu tão delicado, entregado

A uma finura tão vazia, fantasia

E eu a desejar que fossem

Doces como eu

Mas não sou doce, não o meu

Coração, e também não o sei

E agora desejo algo imperfeito

Que me é fugidio e impreciso

Um desejo meu a ser desfeito

Num rosto que não vejo

E este é um lampejo

De não saber desejar, amar

Ou qualquer coisa no meio

Que exista entre o sonhar

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Foram dias sem poemas para mim Sem pensar em versos e assim Foram dias a correr no tempo Sem pensar em coisas um momento E foram dias bons e serenos dias E não houve tristeza ou alegrias E assim foram