Arma



Eu quis ser teu poeta

E numa poesia de nada

Com a tua alma armada

Não pude fazê-la completa


Meus versos não foram

Suficientes nem serão

Se as armas de tua alma

Não guardares, sem trauma


As armas de minha alma

Já guardei-as e tranquei

Todas elas eu sufoquei

E restou serena calma


Eu quis te escrever poema

Da alma em cruz serena

De penitência tão vazia

De querer tal guerra fria


Não lhe venho ao combate

Não preciso deste embate

E ainda assim eu a amo

Pois de poeta eu me chamo

2 visualizações

© 2020 por Emmanuel Prado. 12744671606

R. Tabajaras, 1026. Uberlândia, Minas Gerais, Brasil.

A entrega dos livros pode variar de acordo com o endereço solicitado.